dentro

Aniversário de dois anos da Feirinha de Artes e Artesanatos lota a Praça Joca Neves

Ambiente sadio, descontração, um bom chimarrão, produtos e apresentações artísticas de altíssima qualidade fizeram parte do aniversário de dois anos e abertura da terceira temporada da Feirinha de Artes e Artesanatos.

A Feirinha de Artes e Artesanatos completou dois anos e entrou na sua terceira temporada, lotando a Praça Joca Neves no domingo(14) das 13h às 19h.

Ambiente sadio, descontração, um bom chimarrão, produtos e apresentações artísticas de altíssima qualidade fizeram parte do aniversário de dois anos e abertura da terceira temporada da Feirinha de Artes e Artesanatos.

Alguns expositores já se tornara assíduos, outros já fizeram parte, pararam e retornaram novamente. E outros estão debutando na Feirinha.

Para Lucimere, há dois anos proprietária de um brechó, que já fez parte assiduamente da feirinha, deu uma parada e desde dezembro do ano passado retornou novamente. A Feirinha é uma oportunidade de expor e divulgar seus produtos. “É mais uma opção para a divulgação do meu trabalho. Pra mim que tenho loja, eu participo da Feirinha e divulgo meus produtos e a minha própria loja.” Destacou Lucimere.

Para Vitor que faz parte do Shiva, uma espécie de cooperativa de artesões, está participando pela primeira vez na Feirinha. “Na realidade o Shiva já havia participado com a Kaliane, aí surgiu a ideia de agregar outros artesões, com intuito de reforçar a nossa produção. Todos os artesões que são lageanos. Fazem parte do Shiva a Kaliane que produz as pulseiras e os filtros dos sonhos, a Messi que faz a parte da divulgação, a Betina que produz os chaveiros bordados, Carol que produz as mandalas, Mayara e eu o Vitor que produzimos as telas. Nosso principal foco é justamente o de formar esse cooperativado para facilitar a exposição e comercialização dos nossos produtos.” Ressaltou Vitor.

Para Antônio Gilmar que desenvolve trabalho com vime há mais de 20 anos, participa da Feirinha desde a quinta edição em setembro de 2017, se tornando um participante assíduo.

“Aqui conseguimos comercializar, divulgar, sair do anonimato. Onde nos propomos a inclusão, fazemos amigos, socialização. Aqui na Feirinha fizemos grandes amizades, pois se tem a participação de famílias, um ambiente realmente sadio. Participo desde a quinta edição, não faltei a nenhuma edição da Feirinha o que me fez receber o convite pra fazer parte do conselho, da divulgação. Eu tenho a minha produção no Bairro São Pedro e encontrei na Feirinha uma maneira de sair do anonimato. Além da parte de embalagens, decoração, também produzimos cadeiras mesas em vime que podem ser encontradas na Casa do Artesão aqui em Lages ou na Alfandega em Florianópolis.” Finalizou Gilmar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Homem é baleado no bairro Cristal em Lages

Definidas as composições que se apresentarão nas Sapecadas da Serra Catarinense e da Canção Nativa